Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.uem.br:8080/jspui/handle/1/2928
Authors: Arzani, Alessandro
Orientador: Renata Lopes Biazotto Venturini
Title: As ações anticristãs segundo as Apologias de Justino Mártir : controle social e religião no Império Romano
Banca: Monica Selvatici - UEL
Banca: Solange Ramos de Andrade - UEM
Keywords: Cristianismo;História;Perseguições;Perseguição religiosa;Império Romano;Justino Mártir;Brasil.;Justin Martyr;History of Christianity;Roman Empire;persecution of Christians;Brazil.
Issue Date: 2013
Publisher: Universidade Estadual de Maringá
Resumo: A história do cristianismo na primeira metade do II século é marcada por atritos locais, denúncias em tribunais e calúnias que faziam do nome "cristão" um motivo de condenação. Trajano, Adriano e Antonino Pio fizeram suas recomendações aos governantes locais para desestimular a expansão da nova superstitio dos cristãos, que demonstrava aversão aos deuses, às tradições, às celebrações públicas e ao culto imperial. Nenhuma perseguição, de fato, devia ser estabelecida; denúncias anônimas não deveriam ser aceitas e os cristãos que abandonassem a fé deveriam ser perdoados; os que se recusavam a abandonar a fé eram punidos com a pena capital segundo o julgamento de cada magistrado. Nesse período, alguns, chamados apologistas, produziram escritos em defesa dos fiéis. Justino escreveu duas vezes ao imperador Antonino e a seus filhos entre os anos de 154 e 161. Nas Apologias ele critica a postura dos governantes por acatarem as calúnias das massas que acarretavam uma idéia depreciativa ao nomen christianum. A fidelidade cristã ao Império é ratificada pelo apologista, que surpreende ao destacar a colaboração dos fiéis na manutenção da ordem. Por meio desta pesquisa que tem por objetivo analisar a relação entre controle e religião a partir as ações anticristãs nesses escritos de Justino, nota-se que esse tipo de ações foi fundamental para que a função social da religião dos cristãos fosse pensada no desenvolvimento desse discurso apologético. Nesse discurso, procura-se justificar a rejeição aos deuses e à imoralidade por eles representada. Atento às interrogações dos intelectuais e homens letrados de sua época, são destacados os aspectos tidos por "irracionais e imorais" das crenças pagãs; enquanto a fé cristã é apresentada em contornos racionais com o intuito de reconhecê-la como filosofia divina e superior às demais. Nesse sentido a crença num Deus absoluto, justo e onisciente aparece como um instrumento capaz de subter as pessoas à moralidade, enquanto aguardam a recompensa eterna e procuram se afastar da condenação divina. É nesse momento que a religião dos cristãos começa a ser pensada como uma substituta às crenças pagãs, apontadas como incoerentes.
Abstract: The history of Christianity in the first half of the second century is marked by local clashes, accusations in court and slanders that made the name "Christian" reason for condemnation. Trajan, Hadrian and Antoninus Pius made their recommendations to local governments to discourage the expansion of new superstitio of the Christians who showed aversion to the gods, traditions, public celebrations and the imperial cult. No persecution in fact should have been established; anonymous reports should not have been accepted and if any Christian abandoned the faith they should have been forgiven; however, those who refused to abandon their faith were punished with the death penalty according to the judgment of each magistrate. During this period, some Christians with high education produced writings in defense of their faith. Justin wrote twice to the Emperor Antoninus and his sons between the years 154 and 161 AD. In "Apologies" he criticizes the attitudes of the rulers for accepting the slander of the masses who were accusing the Christians. The Christian fidelity to the Empire is ratified and he highlights the collaboration of the faithful in the maintenance of order. Through this research on the relationship between religion and control as seen in the antichristian actions reported in the writings of Justin, it is noted that this type of action was essential to the social function of the Christian religion to be thought in your apologetic discourse. It seeks to justify the condemnation of the gods and the immorality represented by them. In attention to the questions of intellectuals and men of letters of his age, the irrational behaviors and immoral aspects of the pagan beliefs are pointed by the apologist, while the Christian faith is presented in rational contours, making it a divine philosophy and superior to the other. In this sense, the Christian belief in an absolute God who is just and omniscient appears as an instrument with the ability to teach and demand morality from its followers, while they are awaiting the eternal reward and actively trying to move away from divine condemnation. It is then that their religion begins to be thought of as a substitute for pagan beliefs, which are pointed out as incoherent with the order in the Empire.
URI: http://repositorio.uem.br:8080/jspui/handle/1/2928
Appears in Collections:2.6 Dissertação - Ciências Humanas, Letras e Artes (CCH)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
000205208.pdf990,13 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.