Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.uem.br:8080/jspui/handle/1/3366
Authors: Brugnago, Naira Vicensi
Orientador: André Augusto de Almeida Alves
Title: Preencher os vazios: o papel da estrutura fundiária na constituição do espaço urbano de Cascavel - das primeiras presenças à década de 1960
Banca: Maria Lúcia Caira Gitahy - USP
Banca: Fabíola Castelo de Souza Cordovil - UEM
Keywords: Urbanismo - Arquitetura;Estrutura fundiária - Cascavel (PR) - 1960;Modernização - Desenvolvimento brasileiro
Issue Date: 2016
Publisher: Universidade Estadual de Maringá
Resumo: Cascavel tem seus primeiros registros históricos de ocupação datados do século XIX, quando as primeiras empresas obrageras se estabelecem na região e o Estado atrai o capital estrangeiro através da concessão de terras em troca de obras de infraestrutura (estrada de ferro) e colonização. Contudo, tem-se que desde o século XVI índios caingangues e guaranis ocupam a região das margens do Rio Paraná, descobertos por desbravadores que avançavam à região através do antigo caminho do Peabiru. Posteriormente, novas iniciativas de ocupação surgem com a criação da vila militar de Foz do Iguaçu, a abertura da Estrada Estratégica e a chegada dos caboclos que já adentravam a região através das picadas. No primeiro quarto do século XX, a questão nacional ocupa posição importante com o Movimento Tenentista e o Estado procura recuperar o território da fronteira, culminando na Marcha para o Oeste. É neste cenário, no pós-1930, que se dá as primeiras iniciativas estatais de medição e demarcação de lotes na Gleba Cascavel, bem como de implantação de um assentamento urbano-Patrimônio Velho-naquela que era a já regionalmente conhecida Encruzilhada. A longa trajetória de ocupação e apropriação do território gera conflitos de terras observados desde o século passado, que dificultam toda e qualquer tentativa de organização do território, até pelo menos a década de 1950, quando se dá a demarcação dos lotes rurais e o traçado do Patrimônio Novo. A partir daí, Cascavel segue uma trajetória de urbanização, resultante de dinâmicas econômicas e demográficas, marcada pela atuação de agentes privados, chegando ao fim da década de 1950 com 33 novos loteamentos. É este o processo analisado nesta pesquisa, a partir de um marco teórico sobre o caráter da modernização brasileira posterior a 1930 e a questão fundiária, além de levantamentos de fontes bibliográficas e documentais segundo uma abordagem do processo de produção do espaço urbano a partir de sua constituição por sucessivos processos de conformação de cheios e vazios, em que a concepção da cidade como mercadoria ocupa posição central. Busca-se, assim, contribuir para a historiografia da urbanização cascavelense, através da análise do papel da estrutura fundiária na produção do espaço urbano e da identificação de seus agentes
Abstract: Cascavel has its initial-historical records of occupation dated from the nineteenth century, when the first obrageras companies established in the region and the State attracts foreign capital by granting land in exchange of colonization and infrastructure works (railroad). However, since the sixteenth century caigangues and guaranis indians occupies the region of the Parana river banks, and were discovered by explorers advancing to the region through the old way of Peabiru. Later, new occupation initiatives emerge with the creation of the Foz do Iguaçu?s military village, the so called Strategic Road and the arrival of caboclos that already were entering the region through the trail-old entries. The national issue comes into evidence in the first quarter of the twentieth century with the Tenentista´s Movement, and the State seeks to recover the border´s territory, culminating in the March to the West. This is the post-1930 scenario, where the initial State measurements and demarcations of plots in Gleba Cascavel occur as well as the implantation of non urban settlement-the Patrimônio Velho-in the area that was already regionally known as Crossroads. The long trajectory of occupation and appropriation of the territory generates land conflicts noticed since the last century, which hinder any attempt of organization of the territory, until at last the 1950s, when finally occurs the demarcation of rural lots and the creation of the Patrimônio Novo. Thenceforth, Cascavel follows an urbanization process, resultant of economic and demographic dynamics, marked by the action of private agents, achieving the end of the 1960?s with 33 new allotments. This is the process analyzed in this study, from a theorical framework on the character of Brazilian modernization subsequent to 1930 and the land issue, along with surveys in bibliographic and documentary sources directed by an approach of the urban space production process, from its constitution by successive forming processes of full and empty spaces, on which the conception of the city as commodity occupies a central position. Thus, seeks to contribute to Cascavel´s urbanization historiography through the analysis of the role of the land structure in the production of the urban space and the identification of its agents
URI: http://repositorio.uem.br:8080/jspui/handle/1/3366
Appears in Collections:2.4 Dissertação - Ciências de Tecnologia (CTC)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
000223422.pdf38,35 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.