Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.uem.br:8080/jspui/handle/1/5354
Authors: Santos, Liriani de Lima
Orientador: Lima, Maria das Graças de
Title: Paisagem e cultura : transformações na pequena propriedade rural norte paranaense entre 1950 e 1980
Keywords: Geografia agrícola;Pequenas propriedades rurais - Norte do Paraná;Geografia humana;Inovações agrícolas
Issue Date: 29-Mar-2019
Publisher: Universidade Estadual de Maringá
Citation: SANTOS, Liriani de Lima. Paisagem e cultura: transformações na pequena propriedade rural norte paranaense entre 1950 e 1980. 2019. 203 f. Tese (doutorado em Geografia)--Universidade Estadual de Maringá, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Departamento de Geografia, 2019, Maringá, PR.
Resumo: A pesquisa desenvolvida nesta tese retrata as transformações impressas na organização espacial e nas relações sociais da pequena propriedade rural no contexto do processo de modernização da agricultura, assegurado pelas políticas econômicas e agrícolas do país. A leitura proporcionada pela Geografia Cultural e Agrária permeia o trabalho, cuja metodologia privilegia o trabalho de campo. O surgimento das pequenas propriedades rurais no Norte do Paraná está ligado à ocupação e ao povoamento oficial do estado que só ganhou impulso com a colonização dirigida conduzida por empresas imobiliárias. Dentre essas empresas destacouse a Companhia de Terras Norte do Paraná que, após ser nacionalizada, altera sua denominação para Companhia Melhoramentos Norte do Paraná. No auge de sua atuação no estado a empresa criou municípios, dividiu lotes urbanos e rurais e investiu em uma estrutura de transportes que atraísse compradores. O parcelamento dos lotes rurais em pequenas propriedades foi uma estratégia de venda e lucro, pois a empresa conhecia sua clientela, em sua maioria ex-colonos, estrangeiros ou descendentes, oriundos das fazendas de café paulistas, pouco capitalizados e atraídos pela possibilidade da propriedade da terra e de ganhos com o cultivo do café. Durante o período em que a economia cafeeira foi dominante no estado toda uma infraestrutura voltada para o processo produtivo do café foi erigida, a organização espacial das pequenas propriedades rurais foi também planejada tendo o café como protagonista. Com o processo de modernização da agricultura o arcabouço que dava sustentação ao cultivo do café passou a ser substituído. A intensidade e a velocidade do processo de modernização, embora não tenha atingido o Norte do estado de forma homogênea, sendo mais veemente nas áreas mais propícias à mecanização, devido às condições pedológicas e de relevo, trouxe consequências de ordem econômica, social e cultural. Não foi somente a organização espacial das pequenas propriedades que foi alterada, todo um modo de vida passou a ser transformado. Nesse período, as políticas agrícolas que majoritariamente sempre estiveram voltadas à grande propriedade, acabaram contribuindo para a concentração fundiária, mas não para o fim das pequenas propriedades, que resistem adequando-se a alguma política que permita sua sobrevivência, seja ajustando-se ao mercado e à comercialização impostos pela grande propriedade que produz em grande escala; seja inserindo-se em economias voltadas especificamente à pequena propriedade. Utilizada como estratégia para a ocupação colonizadora das companhias particulares de terras que agiram no estado, essa economia e modo de vida quase desapareceram quando outra política econômica dirigida à agricultura se impôs, agora voltada à produção em grande escala, realizada pelas grandes propriedades. Há, reconhecidamente um número bem menor de pequenas propriedades nas áreas em que a modernização agrícola foi implementada, mas reconhecemos também que continuam fazendo parte da economia agrícola, recriando uma economia que permita seu desenvolvimento e mantendo, adequados à vida atual (2019), um modo de vida ligado à terra e à realidades externas, como a cidade mais próxima e à realidade mundial, que pode lhe atingir
Abstract: The research developed in this thesis shows the transformations printed in the spatial organization and in the social relations of the small rural property in the context of the process of modernization of agriculture, assured by the economic and agricultural policies of the country. The reading provided by the Cultural and Agrarian Geography permeates the work, whose methodology privileges the field work. The emergence of small rural properties in the north of Paraná is linked to the occupation and official settlement of the state that only gained momentum with the directed colonization led by real estate companies. Among these companies, the North Paraná Land Company (Companhia de Terras Norte do Paraná) was highlighted, which, after being nationalized, changed its name to Northern Paraná Land Improvement Company (Companhia Melhoramentos Norte do Paraná). At the height of its activity in the state the company created municipalities, divided urban and rural lots and invested in a transport structure that attracted buyers. The parceling of rural plots in small farms was a sales and profit strategy, since the company knew its clientele, mostly ex-settlers, foreigners or descendants, from coffee farms in São Paulo, little capitalized and attracted by the possibility of land ownership and gains from growing coffee. During the period that the coffee economy was dominant in the whole state, an infrastructure dedicated to the coffee production process was erected, the spatial organization of the small rural properties was also planned with coffee as the protagonist. With the process of modernization of agriculture, the framework that supported the cultivation of coffee was replaced. The intensity and speed of the modernization process, although it has not reached the North of the state in a homogeneous way, being more vehement in the areas more propitious to mechanization, due to the pedological and relief conditions, brought economic, social and cultural consequences. It was not only the spatial organization of small properties that has been altered, a whole way of life came to be transformed. In this period, agricultural policies that mostly have always been directed towards large property, have contributed to land concentration, but not to the end of small properties, that resist adjusting to some policy that allows them to survive, or adjusting to the market and the commercialization imposed by the large property that produces on a large scale; or by inserting itself into economies geared specifically to small property. Used as a strategy for the colonizing occupation of the privately owned companies that acted in the state, this economy and way of life almost disappeared when another economic policy directed to agriculture was imposed, now turned to the large-scale production carried out by the large properties. There are, admittedly, a much smaller number of small properties in the areas in which agricultural modernization has been implemented, but we also recognize that they continue to be part of the agricultural economy, recreating an economy that allows its development and maintaining, appropriate to current life (2019), a way of life linked to the land and the external realities, as the nearest city and the world reality, that can reach it
URI: http://repositorio.uem.br:8080/jspui/handle/1/5354
Appears in Collections:3.6 Tese - Ciências Humanas, Letras e Artes (CCH)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
LirianiLimaSantos.pdf7,92 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.